Sementes Biologicas

A Bio Vitalis Zaden é uma empresa de sementes para Agricultura Biológica
vocacionada para horticultura. Temos disponivel semente de variedades já
experimentadas em Portugal das seguintes culturas:

- Tomate
- Alface
- Espinafre
- Pepino
- Pimento
- Feijão Verde
- Courgette
- Beringela
- Couve Rábano
- Chicória
- Abóbora
- Alho Francês
- Rabanete
- Aromáticas


Para qualquer esclarecimento, informação ou pedido de catálogo por favor

contactar:

Paulo Bernardino Ribeiro

--
Paulo Bernardino Ribeiro
ENZA ZADEN / VITALIS
Delegado Comercial Portugal e Galiza
telm: +351 968 344 739
e-mail: p.ribeiro@enzazaden.es


Juntar o útil ao agradável cultivando terrenos alheios

É trabalho duro, mas também pode ser visto como uma forma de lazer. Enquanto limpam o terreno de giestas, para nele serem plantados medronheiros no próximo inverno, os agricultores ocasionais falam de tudo e mais alguma coisa, tendo como fio condutor as actividades da terra e o meio ambiente.

João Pedro Gonçalves, recém-licenciado em animação sócio-educativa pela Escola Superior de Educação de Coimbra (ESEC), mobilizou sábado passado um grupo de amigos e desconhecidos para uma “minga” em Chão Sobral, lugar da freguesia de Aldeia das Dez, aonde vive com a família.

De acordo com a Wikipedia, “minga, ou minka (quechua) é um tradição ancestral precolombiana, com raízes na América do Sul, de trabalho colectivo e comunitário, com fins de utilidade social. Pode servir para a construção de um equipamento social para uso de toda a comunidade ou para ajudar uma família ou pessoa”.

Neste caso, a minga tinha por objectivos limpar um terreno povoado de giestas e semear batatas. O apelo foi lançado por João Pedro em vários blogues dedicados à agricultura familiar tradicional e responderam quatro pessoas; os ingleses Emma e River, que andam à procura de uma quinta para se radicarem na região, a belga Leen, que vive em Tábua, e o engenheiro agrário Paulo Jacinto, de Viseu.

Na definição de minga está também subentendida a ideia de “criam fortes laços entre quem nelas participa e funcionam numa lógica de proximidade local e de vizinhança”. E assim aconteceu em Chão Sobral.

ImageDe manhã, os agricultores ocasionais tiveram por missão cortar algumas giestas para ensombrar o solo e aumentar a manta morta, numa área ardida em 2005, onde serão plantar medronheiros no próximo inverno.

De tarde, após um almoço oferecido pelos pais de João Pedro, o grupo semeou batatas, não sem antes aprender, num breve “workshop”, como se prepara a terra para esse efeito. No final do dia, deram a missão por cumprida.

Agora que está formado, João Pedro Gonçalves está decidido a ficar pela aldeia. Gosta do trabalho do campo e partilha esse gosto com outras pessoas (ver caixa). Quer cativar outros jovens para a agricultura tradicional familiar e para a defesa do meio ambiente que os rodeia.

Através da iniciativa que promoveu deu a conhecer também o lado lúdico da agricultura. Enquanto cortavam giestas e limpavam o terreno, o grupo conversou, trocou ideias e conhecimentos e o trabalho fluiu. O cansaço veio mais tarde.

www.campeaoprovincias.com

Tortilha mar e montanha - Receita recomendada para mulheres grávidas

Esta variante da especialidade típica escolha vai surpreendê-lo pelo seu sabor e pelas suas propriedades nutritivas.
Além de uma boa variedade de ingredientes, contém ovos, um alimento que apesar de ter um teor relativamente alto de colesterol, contém lecitina, uma substância que se liga ao colesterol de uma forma tão rápida que o organismo só consegue absorvê-lo até um determinado limite.
Esta receita é especialmente recomendada para mulheres grávidas ou em fase de amamentação, desportistas, idosos, estudantes e adolescentes.

Ingredientes
(pa
ra 4 pessoas)
70 g de macarrão
70 g de gambas descascadas
4 ovos
1 tomate (ver artigo sobre a origem do tomate)
70 g de presunto
2 queijos mozzarela
1 dente de alho
azeite virgem
sal ( Casa do Sal )

Preparação
1. Coza a massa al dente e escorra-a bem. Pique o alho e o presunto finamente. Parta o tomate e o queijo em pedaços.
2. Numa frigideira com um fio de azeite, salteie a massa com o alho, o presunto, as gambas e o tomate. Bata os ovos numa tigela e tempere-os. Junte-lhes a massa salteada, misturando bem.
3. Na mesma frigideira, aqueça um fio de azeite e acrescente a mistura anterior. Deixe cozinhar apenas um dos lados, deitando por cima o queijo aos pedaços.
4. Leve ao forno a gratinar até o queijo derreter e ficar dourado.
Fonte:
http://saude.sapo.pt/prevenir/artigos/geral/alimentacao/ver.html?id=896433

Stacey Kent



Parece roteiro de filme hollywoodiano, mas é a vida de Stacey Kent. Uma nova-iorquina vai para a Europa de férias, começa a cantar por diversão e transforma-se numa referência dentro do jazz. Um de seus mais constantes e importantes parceiros é um saxofonista com quem ela se casou. Aconteceu isso com a menina que na infância ouviu muito Frank Sinatra e Nat King Cole e, já adulta, foi estudar literatura comparada.

O primeiro álbum, “Close your eyes”, foi lançado em 1997 e fez bonito tanto com a crítica quanto com o público. Depois de ser reconhecida como um talento em seu país natal, ela decolou em carreira internacional e hoje pode orgulhar-se de ter percorrido os mais importantes festivais de jazz ao redor do mundo.

É muito bom para uma estrela quando ela é reconhecida por outras. Com Stacey, uma das passagens das quais deve-se sempre lembrar é a apresentação dela no aniversário de 70 anos de Clint Eastwood. Steven Tyler e Willie Nelson, recentemente, apontaram a moça como uma de suas cantoras favoritas na atualidade. Há quem a compare a Billie Holiday e Ella Fitzgerald. Não é pouca coisa. No que diz respeito aos registros, Stacey começou com “Close your eyes”, em 1997. Os dois mais recentes, de 2007, são “Breakfast on the morning tram” e “The boy next door”.

Porque e como usar azeite?


As vantagens do azeite

O azeite conserva todas as suas propriedades comocondimento de saladas, peixes ou legumes cozidos ou mesmo quando é utilizado em molhos, como a maionese.


O azeite deve ser usado:


Em sopas


Depois de cozer, se juntar azeite à sopa mantém as suas propriedades gustativas e dietéticas, ainda que perca algum do seu aroma. Daí que seja aconselhável juntar à sopa um segundo fio de azeite, quando a sua temperatura tenha já baixado um pouco.


Em guisados e estufados


Em lume brando, a cozedura faz-se com o líquido que se desprende dos alimentos e com o líquido que se lhes junta. Mantêm-se os sabores e os aromas concentram-se, sobretudo se o cozinhado se processar num recipiente fechado.


Em assados


As temperaturas para assar, especialmente carnes, são inevitavelmente altas. Dada a sua estabilidade, o azeite é a gordura mais indicada para todo o tipo de assados.


Em grelhados


Na brasa, o azeite ajuda a cozinhar, protegendo o alimento perfumado, ou não, de sal e ervas, para que este, à mistura com a própria gordura do alimento, lhe empreste um sabor e aroma irresistíveis.


Em fritos


O azeite é a única gordura que não regista modificações substanciais da sua estrutura se submetido a uma temperatura de 200ºC. Por isso, ele é particularmente recomendado para frituras.


Por outro lado, o azeite faz surgir uma crosta à superfície dos alimentos, alourando-os e deixando-os estaladiços, impedindo assim a absorção de gordura. Contudo, não deve misturar o azeite com outros óleos vegetais nem com outras gorduras.


Em massas


As massas alimentícias (esparguete, por exemplo) ficam mais suaves e soltas quando se adiciona um pouco de azeite à água de cozedura.


Veja também como fazer comida em casa e vender legalmente


Fonte:
http://saude.sapo.pt/artigos/dossiers/nutricao/ver.html?id=756042

Esquizofrenia Moral

"O erro da ética até o momento tem sido a crença de que esta só se deve aplicar em relação aos homens." Albert Schweitzer

A relação que os humanos estabeleceram com os animais é, no mínimo, estranha. Enquanto elegemos alguns como nossa companhia e os tratamos como se fossem membros da nossa própria família, enquanto nos maravilhamos com programas de TV e livros sobre os animais selvagens e os seus comportamentos nos seus habitats, e enquanto estudamos e recriamos os comportamentos de animais extintos há milhares de anos, reduzimos a existência de outros, unicamente àquilo que deles poderemos obter.
Os animais que exploramos e dos quais lhes retiramos centenas de produtos e inclusive a própria vida, são unicamente um produto, uma mercadoria:
A vaca é o leite. O porco é o fiambre. A galinha é o ovo.
As únicas vezes que temos acesso a estes animais é quando já se encontram desmanchados, empacotados ou envoltos em papel celofane e expostos nas prateleiras dos supermercados, ou quando nos aparecem à frente dispostos num prato.
Quanto aos animais que gostamos de ver na TV ou em livros nos seus habitats naturais, colocamo-los atrás de grades, ou obrigamo-los a realizarem truques e rotinas para nosso divertimento. E como prova suprema da nossa superioridade caçamo-los e matamo-los quase até á sua extinção.
Quando inclusive falamos em maus tratos e crueldade a animais fazemo-lo de uma forma redutora e selectiva, incluindo, geralmente, somente aqueles que escolhemos para nos estarem mais próximos. O estatuto de animais de companhia, que conferimos aos cães e aos gatos, parece dotá-los da exclusividade no que respeita à nossa preocupação moral e ao desrespeito dos seus direitos e quaisquer abusos dos quais sejam vítimas.
Por vezes esta preocupação é alargada a outra espécies, quando devido ao nosso comportamento quase causamos a sua extinção, ou quando surgem certas campanhas que conseguem atrair alguma atenção e mobilizar parte da opinião pública.
A chacina de focas que todos os anos decorre no Canadá, ou as criticas ao uso de peles e à sua indústria representam alguns exemplos desta conduta incoerente.
Não deixa, no entanto, de ser curioso que a maioria das pessoas que se pronuncia sobre os maus tratos a cães e gatos, sobre a morte das focas ou sobre o uso de peles, se remeta ao silêncio quanto ao tratamento das galinhas e porcos, sobre o abate de vitelas ou leitões ou sobre o uso de cabedal.
O que torna umas práticas condenáveis e outras aceitáveis, e o que coloca alguns animais na nossa esfera de preocupação e consideração moral enquanto remetemos outros à indiferença é contraditória e difícil de compreender, e foi definida pelo escritor e filósofo norte-americano Gary Francione como "esquizofrenia moral".
Apesar de, desde Darwin, se considerar que não existe nenhuma diferença biológica fundamental entre humanos e animais, existe a tendência de demarcar com exactidão tudo o que nos separa das restantes espécies.
As mulheres estão grávidas, as cadelas estão prenhas.
Os humanos têm cara, os animais têm focinho.
Os humanos têm sentimentos, os animais têm instinto.
Quando pretendemos inclusive ofender ou qualificar negativamente alguém é frequente recorrermos a determinadas espécies com um carácter pejorativo:
Quem não prima pela higiene é porco, apesar deste animal em condições naturais ser extremamente limpo;
Quem é pouco inteligente é burro, apesar de estes animais serem bastante inteligentes;
Uma mulher promíscua é apelidada de vaca, apesar de as vacas acasalarem somente uma vez por ano.
A mesma postura é adoptada quando o objectivo é desumanizar:
Hitler apelidava os judeus de ratos;
Os turcos otomanos denominavam os arménios de gado;
Durante a vigência do apartheid na África do Sul as pessoas de raça negra eram chamadas de macacos.
A própria palavra animal é por si só discriminatória, pois utilizamo-la para definir todas as outras espécies, e esquecemo-nos que nós próprios somos animais.
Um chimpanzé é denominado de animal, um camarão é denominado de animal.
Já nós denominamo-nos como humanos, apesar de termos mais semelhanças com um chimpanzé, com o qual compartilhamos 96% do código genético, do que as semelhanças entre um chimpanzé com um camarão.
Esta demarcação extrínseca permite tratar os animais não humanos de uma forma onde qualquer sentido de ética lhes é negado, e enraízam a crença que, o ser humano ao ser "superior" e gozar da "razão", poderá usá-los e explorá-los sem qualquer consideração sobre os seus interesses. Estas duas premissas são suficientes para legitimar qualquer comportamento e justificar o domínio.
Se tivermos em conta que não é indispensável, nem é uma questão de sobrevivência, uma alimentação com produtos derivados de animais para gozarmos de uma boa saúde (muito pelo contrário), que existem centenas de alternativas sintéticas ao couro e às peles, e que existem alternativas a espectáculos que utilizem animais como intervenientes, só para dar alguns exemplos, deveremos pensar porque é que o progresso moral da humanidade não acompanhou, por exemplo, o avanço tecnológico?
A tradição e o hábito não podem servir para justificar todos os nossos comportamentos, nem funcionar como entrave à evolução moral.
Se assim fosse ainda hoje teríamos institucionalizadas práticas que actualmente consideramos retrógradas, apesar de infelizmente ainda serem uma realidade, como a escravatura, trabalho infantil, ou a proibição de voto às mulheres.
Nunca se falou tanto em abuso, exploração e direitos dos animais, mas também nunca na nossa história foram cometidas tantas atrocidades e em números tão elevados contra eles.
Se, por um momento, em vez de nos centrarmos nas diferenças separam os humanos e animais, veríamos que, no que é verdadeiramente essencial, somos iguais:
Todos procuramos o bem-estar; todos pretendemos evitar o sofrimento; e todos pretendemos a preservação da vida.
Partirmos deste pressuposto de igualdade, ao estabelecermos a nossa relação com os animais, seria provavelmente o maior progresso moral que a humanidade poderia realizar.

http://www.uppa.pt/

Projecto Gsolidário - Navegue por um mundo melhor




O projecto Gsolidário foi criado para ajudar instituições de solidariedade social.

O Gsolidário é um site de pesquisa que utiliza o motor de busca do Google. Os resultados apresentados no Gsolidário são os mesmos resultados obtidos quando a pesquisa é feita no Google. A diferença é que ao pesquisar no Gsolidário está a ajudar a angariar dinheiro para instituições de solidariedade social.


Defina o Gsolidário como a sua página inicial. Faça parte deste projecto: Pesquise!

Para mais informações consulte www.gsolidario.org

Mercado de Agricultura Familiar em Penela: amanhã dia 28 de Fevereiro, das 9 às 13 h

O Agricabaz está sempre presente no Mercado de Agricultura Familiar em Penela com os sais da Casa do Sal da Figueira da Foz, infusões bio e frutas e legumes de agricultura familiar, algumas de agricultores biológicos.
Amanhã o AgriCabaz vai oferecer degustações de Tapas Eiras Largas, feitas com o sal para Grelhados da Casa do Sal, azeite do Rabaçal e broa de milho amarelo.

Espaço do AgriCabaz num dos Mercados de Agricultura Familiar de Penela

__________________________________________________________

clique para ampliar a imagem

Solução para alugar apartamento, casa ou quarto na Europa

Encontre casas e quartos de hóspedes em toda a Europa no site Homelidays.
Homelidays: 2500 quartos de hóspedes em países

Este site, Homelidays, é especialista no contacto directo com o arrendatário. Isto é, quem pretende ficar alojado num apartamento, casa ou quarto particular em toda a Europa, o Homelidays serve de intermediário para tal. O Site tem na sua base de dados 34000 anúncios de arrendamentos para férias em 95 países diferente, o que facilita a pesquisa.

Se pretende, então viajar pela Europa, e fazer uma viagem barata, esta será uma opção. Poderá planear toda a viagem e fazer a reserva dos apartamentos para alugar, em Espanha, França, Itália, Inglaterra, Irlanda, Suiça, enfim, é só escolher o percurso.

Também pode colocar o seu anúncio de apartamento, casa ou quarto para alugar, assim terá um maior público alvo, já que o site está disponível em sete línguas diferentes.
Pode registar os seus anúncios para alugar casa ou apartamento aqui:
Proprietário de uma casa de férias

Experimente a Homelidays durante 30 dias

Ensaio Grátis



O dia Boletus é, agora, definitivamente, o Sábado: em Aveiro, em frente ao Hotel Imperial

Mais tempo para passear e mais tempo para provar as nossas sugestões…

Este Sábado, aproveite a degustação do genuíno Pão-de-Ló de Ovar (receita de família), a partir de agora disponível, por encomenda, na nossa loja.

Apresentamos, também, renovados vinhos da Companhia das Lezírias e o vinho Alentejano Manuel Collection, presentes a partir de agora no nosso catálogo.

Não perca, ainda, a promoção da quinzena:

Vinho Douro DOC Lello tinto 2007 a 3,80 euros;

Vinho Douro DOC Lello branco 2007 a 3,50 euros.

Com os melhores cumprimentos,

José Cláudio Vital

boletus gourmet

Liz Valente & Vital, Lda.

rua dr. Nascimento Leitão, 24

3810-108 Aveiro (Portugal)

tel./fax: +351 234 331 404

www.boletusgourmet.com



Seia Jazz & Blues - Dia 6 | 21:45 Horas – Paula Oliveira (Portugal)


Desde sempre esteve ligada à actividade artística, actuando pela primeira vez aos 4 anos de idade no antigo teatro avenida em Coimbra. Inicia os seus estudos musicais no conservatório desta cidade, terminando o curso de canto clássico no conservatório Nacional de Lisboa. Durante este tempo amplia a sua experiência participando em Seminários de Música Clássica e Jazz, desenrolando uma série de concertos com o seu trio composto por músicos locais por toda a Cataluña. Vai até New York onde participa no Seminário de Jazz integrado no Festival JVC na Manhaten School of Music” dirigido pelo saxofonista Phil Woods. Participa nos I e II Seminários de jazz na Fundação de Casa de Mateus com a cantora Norma Winston. Em Outubro de 1995 vai até New York onde estudou - Técnica vocal com Taína Urrey (professora na Universidade Rugters) - Treino Auditivo com o pianista Armen Donelien (professor nas universidades, Manhaten School of Music e New School). Na altura desenvolveu um trabalho com o trio de norte-americanos, Armen Donelian (piano), Portinho (bateria), David Fink (contrabaixo) que no seguinte(1996) realizou uma tourne por todo o país (Portugal).

Em 1998 grava o seu primeiro Cd com os Músicos Paulinho Braga (bateria) , David Fink (contrabaixo) e Clif Korman (piano), integrado num ciclo de música brasileira Organizado pela Fundação Caluste Gulbenkian. Todos os anos vai a Nova York e realiza concerto em clubes de Jazz.

Em Portugal tem o seu grupo formado com os músicos; Carlos Carli (bateria), Rodrigo Gonçalves (piano) e Bernardo Moreira (contrabaixo), com o qual realiza vários concertos nas sala de espectáculos mais prestigiantes do país.

Participa em Festivais de Jazz em Portugal e fora do País. Participa em vários programas de televisão, tendo sido professora de voz e estilo no popular programa televisivo “Operação Triunfo”.

Acaba de gravar o CD “QUASE ENTÃO” em duo com o conceituado pianista português João Paulo Esteves da Silva.

Bilhetes Normal: 3 €uros,

C/ Cartão M. Juventude e Idoso: 1,5 €uros


Jazz na Oficina Municipal do Teatro ( Coimbra )

No próximo dia 26 de Fevereiro é a vez do Jazz na Sala de Espera. Para as 22h está marcada a actuação do 4teto Luís Figueiredo / Júlio Resende. Lembram-se do pianista do espectáculo Cabaré da Santa? Podem vê-lo, agora, no seu projecto de jazz, que junta os dois pianistas num projecto dedicado à interpretação de composições originais e à exploração tímbrica de dois teclados.

Conta ainda com a participação do contrabaixista João Custódio e do baterista Joel Silva, figuras centrais da jovem geração do jazz em Portugal.

Café-teatro da Oficina Municipal do Teatro.

Preço: 2 euros, com direito a bebida.

Informações e reservas através dos contactos: Telef: 239714 013 / Telm: 914 617 383 ou geral@teatrao.com.

Hoje, a Mercearia Pena está na RTP , em directo, entre as 18h e as 19 h

Os Cafés da Mercearia Pena estão na Loja do AgriCabaz em Coimbra


Café D'vó - Embalagem de 250 g : 2,50 €


Café Mercearia Pena Moído - Embalagem de 250 g : 3,79 €

Café Mercearia Pena em Grão - Embalagem de 250 g : 3,79 €


Pedidos:
agricabaz@gmail.com
R. Qtª das Fonsecas, Loja 2
3030-243 COIMBRA
Tel 239 465 446

Há na Loja do AgriCabaz em Coimbra

Produção de alimentos pode cair em 25% até 2050

Farmhouse and barn among green fields photo

A conclusão é do Programa de Ambiente das Nações Unidas (UNEP), que atribui esta queda às alterações climáticas. Se este cenário se concretizar, a recente crise alimentar, que aumentou em 100 milhões o número de subnutridos do mundo, foi apenas um prenúncio do que está para vir.

Para evitar a catástrofe humanitária que isto representaria, a UNEP recomenda mudanças radicais na forma como a comida é produzida, transportada e comercializada. É necessário reduzir o consumo de carne, de forma a libertar cereais para alimentação humana, regular os preços dos alimentos e apoiar os pequenos agricultores através do micro-crédito para a agricultura sustentável. A UNEP recomenda ainda o abandono progressivo dos fertilizantes e pesticidas químicos.

Fontes

Testo: http://arrefeceraterra.blogspot.com
Imagem: http://www.123rf.com/photo_441580.html

Museu do Oriente: Ciclo de Conferências - debate. Comunidades Asiáticas em Portugal

clique para ampliar

Externato João XXIII em Coimbra: abertas as inscrições para o ano lectivo de 2009/2010




Batata de Aguiar da Beira (Dornelas) no AgriCabaz

O AgriCabaz tem o prazer de anunciar que a partir da próxima segunda-feira vai ter batata de Aguiar da Beira, da Freguesia de Dornelas, fornecida pela Cooperativa Terra Preservada numa parceria com o Projecto Dómus de Aguiar da Beira. Este projecto é promovido pela Santa Casa da Misericórdia em parceria com a Câmara local.
Esta possibilidade de escoamento da Batata de Aguiar da Beira resulta de uma dinâmica de há vários anos que teve início nos Projectos de Luta Contra do Distrito da Guarda.
O Projecto Dómus de Aguiar da Beira é um Projecto apoiado pelo Programa Progride.

Tudo começa com a atitude

É urgente rever os fundamentos, por Leonardo Boff , teólogo

A conjugação das várias crises, algumas conjunturais e outras sistêmicas, obriga a todos a trabalhar em duas frentes: uma intrasistêmica buscando soluções imediatas dos problemas para salvar vidas, garantir o trabalho e a produção e evitar o colapso. Outra transsistêmica, fazendo uma crítica rigorosa aos fundamentos teóricos que nos levaram ao atual caos e trabalhar sobre outros fundamentos que propiciem uma alternativa que permita, num outro nivel, a continuidade do projeto planetário humano.

Cada época histórica precisa de um mito que congregue pessoas, galvanize forças e confira novo rumo à história. O mito fundador da modernidade reside na razão, desde os gregos, o eixo estruturador da sociedade. Ela cria a ciência, transforma-a em técnica de intervenção na natureza e se propõe dominar todas as suas forças. Para isso, segundo Francis Bacon, o fundador de método científico, deve-se torturar a natureza até que entregue todos os seus segredos. Essa razão crê num progresso ilimitado e cria uma sociedade que se quer autônoma, de ordem e progresso. A razão suscitava a pretensão de tudo prever, tudo gerir, tudo controlar, tudo organizar e tudo criar. Ela ocupou todos os espaços. Enviou ao limbo outras formas de conhecimento.

Eis que, depois de mais de trezentos anos de exaltação da razão, assistimos a loucura da razão. Pois só uma razão enlouquecida organiza a sociedade na qual 20% da população mundial detém 80% de toda riqueza da Terra; as três pessoas mais ricas do mundo possuem ativos superiores à toda riqueza de 48 paises mais pobres onde vivem 600 milhões de pessoas; 257 indivíduos sozinhos acumulam mais riqueza do que 2,8 bilhões de pessoas, o equivalente a 45% da humanidade; no Brasil 5 mil famílias detém 46% da riqueza nacional. A insanidade da razão produtivista e consumista gerou o aquecimento global que trará desiquilíbrios já visíveis e a dizimação de milhares de espécies, inclusive a humana.

A ditadura da razão criou a sociedade da mercadoria com sua cultura típica, um certo modo de viver, de produzir, de consumir, de fazer ciência, de educar, de ensinar e de moldar as subjetividades coletivas. Estas devem se afinar à sua dinâmica e valores, procurando sempre maximalizar os ganhos, mediante a mercantilização de tudo. Ora, essa cultura, dita moderna, capitalista, burguesa, ocidental e hoje globalizada entrou em crise. Ela se expressa nas várias crises atuais que são todas expressão de uma única crise, a dos fundamentos. Não se trata de abdicar da razão, mas de combater sua arrogância (hybris) e de criticar seu estreitamento na capacidade de comprender. O que a razão mais precisa neste momento é de ser urgentemente completada pela razão sensível (M.Maffesoli), pela inteligência emocional (D.Goleman), pela razão cordial (A. Cortina), pela educação dos sentidos (J.F.Duarte Jr), pela ciência com consciência (E. Morin), pela inteligência espiritual (D. Zohar), pelo concern (R.Winnicott) e pelo cuidado como eu mesmo venho propondo há tempos.

É o sentir profundo (pathos) que nos faz escutar o grito da Terra e o clamor canino de milhões de famélicos. Não é a razão fria mas a razão sensível que move as pessoas para tirá-las da cruz e fazê-las viver. Por isso, é urgente submeter à crítica o modelo de ciência dominante, impugnar radicalmente as aplicações que se fazem dela mais em função do lucro do que da vida, desmascarar o modelo de desenvolvimento atual que é insustentável por ser altamente depredador e injusto.

A sensibilidade, a cordialidade, o cuidado levados a todo os níveis, para com a natureza, nas relações sociais e na vida cotidiana, podem fundar, junto com a razão, uma utopia que podemos tocar com as mãos porque imediatamente praticável. Estes são os fundamentos do nascente paradigma civilizatório que nos dá vida e esperança.

Participação da Casa do Sal da Figueira da Foz na Feira do Queijo de Seia em 2009

A Casa do Sal apresentou-se na Feira do Queijo de Seia 2009 em parceria com outras micro-produções do Baixo Mondego. Além dos Sais da Casa do Sal também estiveram presentes o Arroz Garça Branca de Maiorca (Montemor-o-Velho) e os biscoitos da Olga Cavaleiro de Tentúgal, da Pastelaria " O Afonso".

(Foto de Geninha)

(Foto de Mário Jorge Branquinho)
José João Rodrigues com Teresa Rua uma amiga de Seia, solidária com o projecto que envolve a Casa do Sal | Salina Eiras Largas e o AgriCabaz

(Foto de Mário Jorge Branquinho)

Cinema na Casa da Esquina

Em Fevereiro o cinema chega à Casa da Esquina, desta feita com uma selecção para miúdos e graúdos. A partir de dia 21 e até dia 25 de Fevereiro, as sessões das 11h e das 15h pertencem aos mais pequenos com o Cinema para não perder a Infância.

Já no dia 23, a Casa entra no Carnaval com a Maratona do Grotesco e a exibição de "La Grande Bouffe", "Taxidermia"," Feios, Porcos e Maus", "Freaks" e" Naked Lunch", tudo a partir das 18h.

Além do Cinema, continuamos a acolher formação com o workshop para jovens a partir dos 14 anos "Direitos humanos com Arte", orientado por Sara Seabra e o "Curso de Iniciação Teatral" para crianças e adultos, orientado por Ricardo Correia.

Em Março a Casa da Esquina acolhe o Workshop de Financiamento de Projectos Culturais com Rui Matoso, o Workshop de Introdução à animação digital (Stop-Motion), com Miguel Estima e a Oficina de Teatro/Movimento/Criação Artística, com Luciano Amarelo. As inscrições estão abertas até inícios do mês de Março.

Mais informações através do nosso blog www.nacasadaesquina.blogspot.com. A Casa da esquina está disponível também no mail geral@casadaesquina.pt ou pelo telefone 962732563.

Filipa Alves

(Produção Casa Da Esquina)

Seminário Contratação Pública | 4 de Março 2009

Procura-se um amigo, de Vinicius de Morais

Não precisa ser homem, basta ser humano, basta ter sentimentos, basta ter coração.

Precisa saber falar e calar, sobretudo saber ouvir.

Tem que gostar de poesia, de madrugada, de pássaro, de sol, da lua, do canto, dos ventos e das canções da brisa.

Deve ter amor, um grande amor por alguém, ou então sentir falta de não ter esse amor.

Deve amar o próximo e respeitar a dor que os passantes levam consigo.

Deve guardar segredo sem se sacrificar.Não é preciso que seja de primeira mão, nem é imprescindível que seja de segunda mão.

Pode já ter sido enganado, pois todos os amigos são enganados.

Não é preciso que seja puro, nem que seja todo impuro, mas não deve ser vulgar.

Deve ter um ideal e medo de perdê-lo e, no caso de assim não ser, deve sentir o grande vácuo que isso deixa.

Tem que ter ressonâncias humanas, seu principal objectivo deve ser o de amigo.

Deve sentir pena das pessoa tristes e compreender o imenso vazio dos solitários.

Deve gostar de crianças e lastimar as que não puderam nascer.

Procura-se um amigo para gostar dos mesmos gostos, que se comova, quando chamado de amigo.

Que saiba conversar de coisas simples, de orvalhos, de grandes chuvas e das recordações de infância.

Precisa-se de um amigo para não se enlouquecer, para contar o que se viu de belo e triste durante o dia, dos anseios e das realizações, dos sonhos e da realidade.

Deve gostar de ruas desertas, de poças de água e de caminhos molhados, de beira de estrada, de mato depois da chuva, de se deitar no capim.

Precisa-se de um amigo que diga que vale a pena viver, não porque a vida é bela, mas porque já se tem um amigo.

Precisa-se de um amigo para se parar de chorar. Para não se viver debruçado no passado em busca de memórias perdidas.

Que nos bata nos ombros sorrindo ou chorando, mas que nos chame de amigo, para ter-se a consciência de que ainda se vive.

Vinícius de Moraes (1913-1980)

AgriCabaz presente na Feira do Queijo de Seia, no próximo Sábado, dia 21 de Fevereiro

clique na imgem para ampliar



AgriCabaz presente na Feira do Queijo de Seia, no próximo Sábado, dia 21 de Fevereiro com os Sais da Casa do Sal da Figueira da Foz e o Arroz dos Campos do Rio Mondego, Maiorca.

Parceiros no Stand do AgriCabaz na Feira de Saldos da ACIC, em Fevereiro de 2007

Stand do AgriCabaz
Cristina e Rosa do Mercadinho do Botânico que apresentaram as suas degustações
Algumas degustações
Pai e filho, responsáveis pelo cultivo ,descasque e embalamento do arroz Garça Branca, comercializado pelo Agricabaz


Família Pinho Leão de Monsaros, Anadia, que cultivam laranja e tangerina biológica, assim como produzem e engarrafam vinho em modo de produção integrada. Todos estes produtos comercializados pelo AgriCabaz.
Outros parceirosestiveram presentes, como o Delmino que faz e engarrafa o Azeite do Rabaçal. Nesse momento não houve oportunidade de tirar uma foto.

Arroz Carolino Garça Branca dos Campos do Rio Mondego

Cordão humano pelo Choupal (às 11h. do Domingo, dia 15 de Fevereiro, em Coimbra)


«Esta­mos pre­pa­ra­dos para “abra­çar” toda a mata do Chou­pal com oito mil pes­so­as». Com a pre­vi­são de uma manhã pri­ma­ve­ril e ten­do como amos­tra as mais de sete mil pes­so­as que já assi­na­ram a peti­ção, os ele­men­tos que lide­ram a Pla­ta­for­ma do Chou­pal espe­ram uma gran­de ade­são, ama­nhã, a par­tir das 11h00, jun­to ao açu­de, no cor­dão huma­no que pre­ten­de pro­te­ger aque­la mata naci­o­nal con­tra a cons­tru­ção do via­du­to do novo IC-2 que a atra­ves­sa numa exten­são de 150 metros.

«Não sabe­mos qual o núme­ro de pes­so­as que vai estar pre­sen­te, mas acre­di­ta­mos que um ter­ço ou meta­de da área glo­bal da mata esta­rá cober­to», afir­mou Luís Sou­sa, ele­men­to da pla­ta­for­ma, que ontem deu uma con­fe­rên­cia de Impren­sa, no Chou­pal, para dar con­ta dos por­me­no­res des­ta ini­ci­a­ti­va e ain­da comen­tar as con­se­quên­cias da visi­ta que levou à mata, há uma sema­na, ele­men­tos da autar­quia de Coim­bra, das Estra­das de Por­tu­gal e da Pro­ve­do­ria do Ambi­en­te e Qua­li­da­de de Vida para dis­cu­tir esta maté­ria.

Luís Sou­sa dei­xa cla­ro que a Pla­ta­for­ma do Chou­pal se con­gra­tu­la por exis­tir um estu­do urba­nís­ti­co para toda a zona envol­ven­te à pon­te do Açu­de - anun­ci­a­do na dita visi­ta - mas, mes­mo antes de o conhe­ce­rem ou dis­cu­ti­rem, os ele­men­tos des­te movi­men­to têm a cer­te­za de que a sua qua­li­da­de «será sem­pre supe­ri­or se o via­du­to do IC-2 não for con­cre­ti­za­do».

«Con­tem com esta pla­ta­for­ma para for­çar todas as enti­da­des para o finan­cia­men­to des­te estu­do, obvia­men­te na con­di­ção de que aqui­lo que des­trói o estu­do, que é o IC-2, não seja fei­to», con­ti­nuou o por­ta-voz da pla­ta­for­ma, recor­dan­do que o que está pre­vis­to é «uma auto-estra­da com seis fai­xas», com «gra­vís­si­mas» con­se­quên­cias am­bien­tais para a zona envol­ven­te, nome­a­da­men­te para o Chou­pal.

«Não res­tam dúvi­das de que é um vio­len­tís­si­mo aten­ta­do à mata, na sequên­cia de outros que se vêm con­cre­ti­zan­do nos últi­mos 30 anos», afir­mou Luís Sou­sa. «Não há nada até ao momen­to que demons­tre a neces­si­da­de de uma ter­cei­ra auto-estra­da em Coim­bra», con­ti­nuou, lamen­tan­do não ter exis­ti­do, até ago­ra, a pos­si­bi­li­da­de de dis­cu­tir com a Câma­ra Muni­ci­pal de Coim­bra esta e outras ques­tões rela­ci­o­na­das com esta maté­ria.

Fonte texto: Diário de Coimbra

Galápagos em perigo

Galápagos está em perigo. A advertência é do director da Fundação Charles Darwin. Gabriel Lopes diz que o arquipélago pode sofrer danos irreversíveis se o turismo na região não for refreado.

Na entrevista, concedida para assinalar os 200 anos do nascimento do cientista britânico Charles Darwin, Lopez defende a limitação imediata do número de visitantes às ilhas.

Só no ano passado, o número de turistas em Galápagos atingiu um recorde de 173 mil visitantes. Ou seja, quatro vezes mais do que há 20 anos. O aeroporto da ilha de Baltra, o único do arquipélago, opera com uma média de seis voos por dia, o dobro de há oito anos.

Na entrevista, o director da Fundação diz que "o arquipélago ainda é o mais preservado do mundo", mas se nada for feito "a riqueza das ilhas" vai desaparecer.

Gabriel Lopez acrescenta que esse plano de acção deve avançar já, estimando que só restam dez anos para salvar o arquipélago.

Em 2007, a Unesco classificou Galápagos como património mundial em perigo. Perante esse facto, o Governo do Equador, que já havia tomado algumas medidas consideradas insuficientes, introduziu normas mais rígidas.

Além dos turistas, outra ameaça são as espécies invasoras. Todos os aviões são pulverizados com insecticidas, mas alguns insectos sobrevivem. Um dos mais predadores é a formiga lava-pés, que ataca filhotes de aves e tartarugas jovens.

Fonte: Expresso

AgriCabaz na Feira de Saldos da ACIC em Coimbra

O AgriCabaz vai estar presente na Feira de Saldos, este fim de semana no Pavilhão da ACIC (Alto da Relvinha - Pedrulha) em Coimbra.

O Stand do AgriCabaz vai apresentar degustações de alimentos de agricultura tradicional da nossa região:
  • Sais da Figueira da Foz
  • Arroz dos Campos do Rio Mondego
  • Infusões de Casal de Stº Amaro, Penacova
  • Vinho de Monssarros, Anadia
  • Queijo Artesanal de Legacão, Rabaçal
  • Azeite do Rabaçal
  • Biscoitos de Tentúgal
  • Mel de Urze e Hidromel da Serra da Estrela
  • Azeitonas de Trás-os-Montes
  • Legumes e frutas de agricultura tradicional ou biológica e economia social

Horário da Feira de Saldos:

Dia 13, Sexta-feira, das 19 às 23h
Dia 14, Sábado, das 15 às 23h
Dia 15, Domingo, das 15 às 20 h

Degustações no Stand do AgriCabaz:

Sexta-Feira:
  • Degustação de Infusões de Casal de Stº Amaro
  • Degustação de Arroz Doce
  • Degustação de Broa de Milho Amarelo
  • Degustação de Tapas Eiras Largas de Lavos, Figueira da Foz

Sábado:
  • Degustação do Azeite do Rabaçal
  • Degustação do Queijo de Legacão, Rabaçal
  • Degustação do Arroz em Festa
  • Degustação de Arroz Doce
  • Degustação do Vinho de Monsarros, Bairrada
  • Degustação de Bola de Bacalhau
  • Degustação de Broa de Milho Amarelo
  • Degustação de Tapas Eiras Largas de Lavos, Figueira da Foz
  • Degustação de Azeitonas de Trás-os-Montes temperadas com o Sal para Grelhados da Casa do Sal

Domingo:
  • Degustação de Infusões de Casal de Stº Amaro
  • Degustação de Broa Doce
  • Degustações Vegetarianas
  • Degustação do Arroz em Festa
  • Degustação de Arroz Doce
  • Degustação do Vinho de Monsarros, Bairrada
  • Degustação de Broa de Milho Amarelo
  • Degustação de Tapas Eiras Largas de Lavos, Figueira da Foz
  • Degustação de Azeitonas de Trás-os-Montes temperadas com o Sal para Grelhados da Casa do Sal

Nível da água do mar pode subir mais

















O nível de devastação do mar no sul da Flórida e em outras zonas costeiras populosas, como Washington D.C., Nova Iorque e Califórnia, pode ser pior do que se pensava.

O aumento do nível da água do mar pode ter mais sete metros do que o esperado, chegando mesmo a haver a hipótese de inundações nas zonas costeiras, o que significa um aumento de 25%.
Um novo estudo divulgado no jornal "Science" alerta para factores não previstos que podem fazer crescer o nível da água do mar ainda mais. No entanto, Peter Clark, geocientista da Universidade de Oregon e autor do estudo, defende que não se está à espera de um colapso.
"Há já algum tempo que as pessoas se estão a preparar para um aumento do nível do mar", sublinha. O novo relatório indica que há outros factores a terem de ser tidos em conta além do aquecimento global. Por exemplo, depois do gelo derreter, o buraco que fica no solo rochoso que sustenta a placa vai diminuir de tamanho e empurrar parte da água para o mar.

Fonte: Expresso

Moinhos velhos recuperados para produção de energia


Uma empresa espanhola vai recuperar sete moinhos em França, uma aldeia inserida no Parque Natural de Montesinho, com o objectivo de lá instalar micro-centrais de produção de energia eléctrica.

O projecto prevê a recuperação de um total de 300 moinhos. Os primeiros sete, a ser alvo desta iniciativa, estão em pleno Parque de Montesinho.

São vários os autarcas que consideram o negócio vantajoso e por isso estão a negociar com os espanhóis. Amândio Costa, presidente da Junta de Freguesia de França, é um dos que já aderiu à proposta, por considerar que é um maneira de recuperar património que está abandonado em risco de se perder. Na sua freguesia vão ser intervencionados sete moinhos.

A empresa espanhola, da área das energias renováveis, garante contrapartidas financeiras para as freguesias. \"Nos primeiros dez anos a Junta vai receber uma percentagem de 10% dos lucros da venda de energia que após esse período passa para 12,5%, e 15 anos depois será de 15%\", explicou o autarca.

As autarquias não farão qualquer tipo de investimento. A própria ligação às linhas da Rede Eléctrica Nacional (REN), para onde será escoada a energia produzida, serão custeadas pelos espanhóis.

A recuperação de moinhos prevê a manutenção da sua actividade de moagem, permanecendo instalados os artefactos que o permitem. \"Sempre que for preciso moer cereal, é possível. Ficarão com a sua dupla função\", explicou o autarca.

Trata-se de moinhos antigos, em granito e xisto, típicos da região transmontana. \"É um projecto que permite a reabilitação de património que não tem serventia e está cada vez mais estragado\", adiantou o autarca.

O projecto estende-se a várias aldeias transfronteiriças, nomeadamente ao concelho de Mogadouro. A empresa fez um levantamento e estima que existam cerca de 300 moinhos na região que podem entrar na iniciativa.

Para o autarca de França, esta iniciativa poderá vir a ter benefícios no turismo, pois, com uma boa promoção, os moinhos poderão ser locais de atracção de visitantes. \"Muitos quererão vir ver os moinhos a trabalhar\", vaticinou.

Fonte: http://www.diariodetrasosmontes.com

Iniciativa Por Darfur hoje no TAGV

Painel de Discussão:

José Manuel Pureza (CES)
Daniela Nacimento (Feuc)

(entrada livre)

Iniciativa que integra uma acção a nível mundial (ver www.savedarfur.org ).

Sessão de poesia dedicada a Alexandre O'Neill no bar-livraria Gato Vadio ( dia 15 às 18h.)

Sessão de Poesia dedicada Alexandre O’neill
Domingo, 15 de Fevereiro, 18 h.

Leitura a cargo de Carla Rosa, Nuno Meireles, Júlio Gomes
na livraria-bar Gato Vadio


Gato Vadio - livraria-bar
Rua do rosário, 281 – Porto
telefone: 22 2026016


Auto-Retrato

O’neill (Alexandre), moreno português,
cabelo asa de corvo; da angústia da cara,
nariguete que sobrepuja de través
a ferida desdenhosa e não cicatrizada.
Se a visagem de tal sujeito é o que vês
(omita-se o olho triste e a testa iluminada)
o retrato moral também tem os seus quês
(aqui, uma pequena frase censurada…)
No amor? No amor crê (ou não fosse ele O’neill!)
e tem a veleidade de o saber fazer
(pois amor não há feito) das maneiras mil
que são a semovente estárua do prazer.
Mas sofre de ternura, bebe de mais e ri-se
do que neste soneto sobre si mesmo disse…


"Auto-Retrato", in O'Neill, Alexandre, Tomai lá do O'Neill- uma antologia, Pref. António Tabucchi, Círculo de Leitores, Dezembro de 1986

HEXA - 6º Ciclo Experimental - de 26 de Fevereiro a 7 de Março, em Águeda


Vem aí um autêntico festival formativo: o Hexa! No Ano Europeu da Inovação e da Criatividade, a d’Orfeu direcciona o seu Ciclo Experimental para um conjunto de experiências formativas em diversas áreas criativas, técnicas e artísticas. Das pautas aos botões, dos gráficos às expressões, o Hexa - 6º Ciclo Experimental decorre de 26 de Fevereiro a 7 de Março, em Águeda, com uma inigualável programação de ateliers e workshops dedicados aos domínios emergentes da actividade cultural.


Workshops e Ateliers
Uma grande diversidade de inputs criativos, desde os mais tecnológicos aos mais simples, desde os que exigem a complexidade tecnológica aos que se limitam a utilizar o corpo. As linguagens informáticas ao serviço das artes e os domínios técnicos das artes do espectáculo, por um lado, e as abordagens à essência do trabalho teatral e à plasticidade musical, por outro, compõem o leque de ateliers/workshops disponíveis neste Hexa.

CURSO DE ILUMINAÇÃO, por Cristovão Cunha
turma 1 - seg 2Mar | 18h00-22h00
turma 2 - ter 3 Mar | 10h00-16h00
Na natureza, temos o espectro da ausência, a sombra e a luz. A cor preenche os espaços vazios da oitava. Este é um curso intensivo dirigido a todos os que trabalham ou pretendem trabalhar, de forma profissional ou amadora, como técnicos de luz ligados às área do espectáculo e da produção cultural.

CURSO DE SOM, por Vítor Génio
qui 26 e sáb 28 Fev | 19h00-22h00
O que é o som? Como funcionam as ondas sonoras, as vibrações? Este curso pretende conhecer melhor este actor invisível mas central, no que toca a concertos e espectáculos. Serão abordados conceitos como o espaço acústico ou o microfone: como determinam e influenciam os outros componentes?

CURSO DE CENOGRAFIA MULTIMÉDIA, por Vítor Génio
qui 5 Mar | 19h00-22h00
O Curso de Cenografia Multimédia visa desenvolver e explorar a criação de cenários digitais para produtos de ficção ou reportagem televisiva. No caso de espectáculos ao vivo, a cenografia pode ser real ou projectada. Através da aprendizagem, aplicação das técnicas deste atelier pretende-se que, no final do curso, todos os formandos estejam aptos a desenvolver livre e criativamente um projecto de cenografia virtual.

TRATAMENTO DE IMAGEM DIGITAL, por Hekiw http://hekiw.pt.vu/
ter 3 > sex 6 Mar | 19h00 - 20h30
Tratamento de imagem digital para principiantes: aprende como! Neste workshop serão analisadas as ferramentas básicas de enquadramento de imagem, desde a correcção de olhos vermelhos, inserção de texto, manipulação de cor, filtros, entre outros. O atelier certo para reunir bases sólidas em edição de imagem!

ANIMAÇÃO DIGITAL (ActionScript 2.0), por Bruno Vide
qui 26, sex 27 Fev | 19h00-21h00 e 22h00-24h00
sáb 28 Fev | 10h00-12h00 e 13h30-19h30
seg 2 Mar | 19h00-21h00 e 22h00-24h00
Formação direccionada para todos aqueles com conhecimentos de base em tratamento de imagem, numa altura em que a animação digital está cada vez mais exposta à cultura do entretenimento. Estimula-se a concepção e produção de experiências interactivas através da exploração dos conceitos “frame”, “scene”, “timeline”, a criação de objectos vectoriais/bitmaps, importação de objectos, sons, filmes e finalmente a execução de animações frame-a-frame (Motion Tweening, Shape Tweening) e utilização de botões animados. Integra e aplica as tecnologias de animação em 20h intensivas!

PURE DATA, por João Martins
qua 4 Mar > Sex 6 Mar | 18h00-22h00
Pure Data é um ambiente de programação gráfica para áudio e vídeo usado como ambiente de composição interactivo e como estação de síntese e processamento de áudio em tempo real. Demonstrar-se-ão as virtudes do Pure Data com construção de uma instalação interactiva durante este workshop.

HARMONIZAÇÃO DE MELODIAS TRADICIONAIS COM O SISTEMA TONAL, por Artur Fernandes
sáb 28 Fev | 14h30-19h30
Pretende-se com este workshop analisar e compreender a origem tonal de algum repertório tradicional português, bem como potenciá-lo harmonicamente com o sistema musical que terá suportado a sua criação – o Sistema Tonal. Este Workshop tem dois tipos de público-alvo:
- alunos do ensino especializado de música com formação em Análise e Técnicas de Composição e curiosidade pela música tradicional;
- músicos na área das músicas tradicionais com curiosidade pelas questões harmónicas.

A ARTE DE DIZER, José Rui Martins (ACERT)
dom 1 Mar | 18h00-24h00
Breve abordagem a distintos textos literários (poema e prosa): a escolha do texto, o(s) sentido(s) da leitura. A intencionalidade teatral da leitura e a busca da solução de interpretação. Ferramentas de trabalho para a arte de dizer. Exercícios de leitura de textos, procurando abordagens versáteis e coerentes.

INICIAÇÃO AO TEATRO E TÉCNICAS DO ACTOR, Ilda Teixeira (ACERT)
qua 4 Mar | 15h00-18h00
Com jogos, dinâmicas e exercícios parte-se à descoberta do trabalho do actor e do teatro, estimulando em cada um dos participantes toda a capacidade criativa, a capacidade de análise e observação, a capacidade de escuta de si mesmo e dos outros. Uma abordagem à voz, ao corpo, à postura, à construção da personagem, ao texto e ao espaço cénico.

**************************************************************

Seminário para o Associativismo II
Pelo segundo ano consecutivo, em parceria com a autarquia local, a d’Orfeu dedica ao Associativismo o seu Seminário anual, reconhecendo como premente a qualificação dos dirigentes associativos nos dias que correm. Reforça-se o formato, com um maior aprofundamento e carga horária das temáticas mais pertinentes no I Seminário, a refocagem e fusão de alguns ateliers para maior consistência temática e uma não simultaneidade dos ateliers, para possibilitar maior acesso.
Termina a 7 de Março - dia de todos os encontros do Hexa -, no Salão Nobre da Câmara Municipal de Águeda, com encontro e debate final.

VOLUNTARIADO, ESTRATÉGIA ASSOCIATIVA E PARTICIPAÇÃO
Miguel Torres (ACERT)
sáb 28 Fev | 14h00-18h00

GESTÃO DE EQUIPAS E CULTURA ORGANIZACIONAL
Rui Júnior (Tocá Rufar)
qua 4 Mar | 20h30-23h30

COMO ESTRUTURAR UM PROJECTO - descrição, objectivos, orçamento
Paulo Pereira
seg 2 Mar > qua 4 Mar | 18h30-21h30

FISCALIDADE E CONTABILIDADE ASSOCIATIVA
António Marques
sáb 28 Fev | 10h00-13h00 14h00-17h00

CANDIDATURAS A PROGRAMAS NACIONAIS E INTERNACIONAIS DO IPJ
Luís Fardilha e Cristina Cunha (IPJ)
dom 1 Mar | 09h00-13h00

**************************************************************

Residências Artísticas
Aproveitando as sinergias do ambiente criativo que se vive durante o Hexa, o evento promove a residência artística de três nomes de reconhecido mérito em diversas áreas artísticas. O estímulo criativo destas residências estará ao serviço do desenvolvimento de criações e novas produções d’Orfeu, mas será extensível a toda a comunidade artística que, informalmente, possa beneficiar directamente desta oportunidade.

Fernando Mota
Espaços Sonoros
qua 4 > sáb 7 Mar

Rui Júnior (Tocá Rufar)
Olhar Criativo
Qua 4 Mar | tarde

Tiago Pereira
VJ / Documentário / New Media
26 Fev >7 Mar

**************************************************************


INFORMAÇÕES GERAIS & INSCRIÇÕES (LIMITADAS)
d’Orfeu Associação Cultural
Rua Engº. Júlio Portela, 6
3750-158 Águeda
tel. 234 603 164
soraia@dorfeu.com
http://dorfeu.blogspot.com/
http://www.dorfeu.com/

INSCRIÇÕES NO SEMINÁRIO PARA O ASSOCIATIVISMO II
Câmara Municipal de Águeda
Gabinete de Apoio ao Associativismo
Tel. 234610070 opção 2
paula.loureiro@cm-agueda.pt
elisabete.jorge@cm-agueda.pt
http://www.cm-agueda.pt/

Todos os ateliers são sujeitos a pré-inscrição. Além dos custos e descontos assinalados na ficha de inscrição anexa, todos os ateliers são gratuitos para alunos EMtrad’ e estudantes ESMC / ESAP (ao abrigo do protocolo entre as Associações de Estudantes e a d’Orfeu). As inscrições nos ateliers do Seminário para o Associativismo, organizado em parceria com a Câmara Municipal de Águeda, são gratuitas para as associações do concelho de Águeda.
clique para ampliar

GRELOS DE NABO BIOLÓGICOS

ESTA SEMANA
(A PARTIR DE TERÇA FEIRA)

CADA MOLHADA
(1 KG A 1,200 kG)
1,20 €
(IVA INCLUÍDO)

Na Loja do AgriCabaz e
no AgriCabaz | à porta

Encontro Verde na Quinta Cabeça do Mato em Tábua, de 10 a 13 de Abril de 2009

ENCONTRO VERDE
2009

ONDE: Na Quinta Cabeça do Mato, uma quinta biológica de 10 ha, auto-suficiente no que diz respeito a recursos energéticos, a praticar os princípios da permacultura, seguindo o calendário biodinâmico.
Tem uma fonte natural, uma pequena ribeira a percorrer o terreno, bio-piscina, eco-casa, yurts, espaço na natureza para acampar com: duches solares/caldeira, espaço de cozinha coberto e várias retretes secas (de compostagem).

QUANDO: de 10 a 13 de Abril

PRINCÍPIOS: Viver em harmonia com a terra-mãe.

Evento sem fins lucrativos.

OBJECTIVOS: Trazer um conhecimento mais profundo de assuntos ecológicos e partilhar experiências para o beneficio de todos envolvidos, obtendo sabedoria para uma vida mais saudável para a biosfera.

MAPA

mapa_cabeca_do_mato_2.jpg

Ver tambem MapaGoogle desde Tábua para Casa da Ribeira (ao lado da Quinta Cabeça do mato)

INSCRIÇÕES-INSCRIPTION

January 19, 2009

Inscrições

Pedimos a cooperação de quem têm a certeza que quer refeições e acampamento no Encontro Verde para enviar a ficha de Inscrições preenchida para o email encontroverde@gmail.com

Por Favor. Voluntários e monitores de workshops

Pedimos aos Voluntários e monitores de workshops que ainda não preencheram as respectivas fichas para preencher e enviar para encontroverde@gmail.com

Isto uma importante ajuda para Organização deste evento para planear as refeições e espaços, por favor preencha o mais brevemente possivel.

NOTA: O evento têm entrada livre para locais, a ficha de Inscrições é apenas para quem desejar as refeições preparadas no evento e para quem quiser acampar no parque de campismo. como estamos a criar um grupo comunitário com ambiente comunitário durante o encontro, não existe a possibilidade de acampar sem refeições. Não há espaço na vizinhança para estacionar carrinhas/caravanas. Avisa-nos se este for o teu caso.

ATENÇÃO

Devido a motivos de espaço, ambientais e organização…

Apenas as pessoas que têm inscrições e as pessoas do concelho de Tábua podem vir ao evento, caso não tenhas ficha de inscrição preenche já! pois precisas dela para permanecer no evento…

Pedimos desculpas por qualquer incomodo.

January 19, 2009

GREEN GATHERING
2009

WHERE: At Quinta Cabeça do Mato, 10 ha organic farm using 100% alternative energy, practicing principals of permaculture, following biodynamic calendar, has natural spring, small river running through the land, bio pool, eco-round house, yurts, space in nature for camping with: solar/wood fired showers, covered kitchen space, covered dinning area and various compost toilets.
WHEN: In April 2009, 10th-13th
PRINCIPLES:
Living lightly on the planet.

Non-profit event.

OBJECTIVES:
To bring a deeper understanding of ecological issues and to share hands on experiences together for the benefit of everyone, obtaining knowledge for a healthier life for the bio-sphere.

MAP

mapa_cabeca_do_mato_2.jpg

See GoogleMap from Tábua to Casa da Ribeira (near to Quinta Cabeça do mato)

Bemvindos - Welcome

January 19, 2009

Bem-vindos

Este Encontro Verde vai ser o quinto que realizamos, esperamos que seja o maior, melhor e o mais ecológico!

Junta-te a nós para o próximo Encontro Verde na Páscoa de 2009, 10-13 de Abril

ajuda a tornar este evento comunitário oferecendo voluntariado; cozinha, proposta de workshop, tarefas diárias etc…

Welcome

This is the fifth Green Gathering which we have hosted, and we hope it to be the biggest,best and most ecological yet!

Please join us at Easter 2009, 10th-13th April

help make this a community event by offering to help; cooking, offering a workshop, daily tasks etc…

Fotos Inauguração Boletus Gourmet (Aveiro)

O AgriCabaz está presente na Loja Boletus Gourmet, em Aveiro, com Artesanato Alimentar incluindo os Sais da Casa do Sal da Figueira da Foz

Mini-Férias de Carnaval no CFTL em Coimbra | de 22 a 24 de Fevereiro

clique na imagem para ampliar

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails